quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Festiaval Cabrilho 2011

Festival Cabrillo 2011
Nos dias 1 e 2 de Outubro teve lugar o Festival Cabrillo 2011 em San Diego,
comemorando a chegada de João Rodrigues Cabrillo, Português ao serviço de
Espanha, primeiro europeu a pisar as terras do oeste do que hoje é o México e Estados
Unidos.
Cheio de nostalgia e saudade, o Festival Cabrillo foi dedicado à memória de Mary Rosa
Giglitto, a força e entusiasmo do mesmo desde o seu início.
As atividades no primeiro dia iniciaram-se com a Cerimonia Comemorativa, realizada
na área onde o Museu Marítimo de San Diego está a construir a réplica da nau San
Salvador, barco de Cabrillo.
Para iniciar as cerimónias, um quinteto da marinha Americana, tocou os hinos de
Espanha, México, Portugal e Estados Unidos.
As cerimónias foram orientadas pelo Superintendente do Cabrillo National Monument,
Tom Workman, que aludiu à memória de Mary Rosa Giglitto e os seus contributos para
com o Festival Cabrillo.
Presentes estavam entidades representando Portugal. Cônsul Geral de Portugal em
San Francisco, Dr. António Costa Moura, Capitão Paulo Sousa Costa, representando
o Chefe de Estado-maior da Armada, de Espanha, Cônsul Geral em Los Angeles,
Enrique Ruiz Molero, que foi o orador principal, Nico Saad, Presidente Emérito do
Festival Cabrillo, Ensenada, Xavier Rival, em representação do Presidente Municipal,
Enrique Ruiz Torres de Ensenada, México, assim como Zé Duarte Garcia, Presidente
do Festival Cabrillo, Miss Cabrillo, Juliette Simões, Donald Valadão, personificando
Cabrillo, e numerosa assistência.
Foi orador principal o Cônsul Geral de Espanha, que no seu discurso, teceu a historia
de Cabrillo, assim como as excelente relações entre Portugal e Espanha.
Logo em seguida seguiu o depor de duas coroas de flores em honra de João Rodrigues
Cabrillo, por parte dos representantes do Cabrillo National Monument e pelos
representantes do Cabrillo Civic Club #16 e pelo Portuguese American Social and Civic
Club em San Diego.
Antes de terminar as cerimonias, os oficiais, diretores e amigos de Mary Rosa Giglitto
foram convidados a por uma rosa vermelha na coroa de flores oferecida pelo Cabrillo
National Monument.
Para fechar as cerimónias, foi colocado na mesma coroa, quatro ramos de poejo pelo
representante dos indígenas Kumeyaay, que viviam nas áreas onde chegou Cabrillo
como sinal de amizade entres os povos representados pelas várias nações.
A bênção foi oferecida na língua, Kumeyaay, por Jane Dumas, anciã no na Nação
Kumeyaay.
Apos a cerimonia, as duas coroas de flores foram levadas para o Cabrillo Monument,
para estarem patentes ao público em frente à estátua de João Rodrigues Cabrillo.
Seguiu-se o jantar e serão, Cabrillo Banquet, organizado pelo Cabrillo Civic Club #16
e Portuguese American Social and Civic Club, que serviria para a ocasião solene do
desvelar do busto em bronze em memória de Mary Rosa Giglitto.
Terminado o jantar, seguiram as apresentações pela mestre-de-cerimónias, Dinisa
Valadão que pediu a palavra aos vários representantes dos países que fazem parte da
história de Cabrillo.
Nico Saad lembrou com muita emoção, os seus quarenta anos de trabalhar com a
Mary Rosa Giglitto, desde a fundação do Festival Cabrillo em Ensenada, à sua visita a
Portugal com a Mary, para pedir um busto de Cabrillo que hoje se encontra numa praça
em Ensenada, à sua contínua promoção da história de Cabrillo.
Falaram também, Xavier Rivas, representante do Presidente Municipal de Ensenada
que falou das boas relações entre Ensenada e a comunidade portuguesa em San
Diego.
O Cônsul Geral de Espanha reiterou as boas relações entre Espanha e Portugal,
especialmente nesta altura em que ambos os países enfrentam tempos difíceis.
Tom Workman, descendentes de madeirenses que imigraram para o Havai e
Superintendente do Cabrillo National Monument, ofereceu à Família Giglitto, uma placa
alusiva ao contributo da Mary para com o monumento.
Zé Duarte Garcia, Presidente do Festival Cabrillo de igual modo, ofereceu à Família
Giglitto, em prol do Festival Cabrillo, uma placa que citava o trabalho de Mary Rosa
Giglitto para que o Festival Cabrillo, ficara reconhecido como o primário festival
internacional nos Estados Unidos.
Em representação do Chefe de Estado-maior da Armada Portuguesa, o Capitão Paulo
Sousa Costa, aludiu à ligação da Marinha com o Festival Cabrillo e importância que
esta amizade tem para a Marinha, interlaçando a os feitos de Cabrillo com os da
comunidade.
Finalizando, pediu ao Cônsul Geral, Dr. António Costa Moura que o acompanhasse no
pódio, para atribuir à Miss Cabrillo Festival, Juliette Simões, a oferta de uma bolsa de
estudo no valor de $3,000 em nome da Marinha Portuguesa.
A seguir o Cônsul Geral discursou sobre as boas relações entre os países, a
importância do Festival Cabrillo, e salientou a importância da comunidade participar
ativamente na vida política, não só na Califórnia, como em Portugal. Adicionalmente
aludiu à importância de reconhecer os tempos difíceis que Portugal está a atravessar e
o quanto tão importante é o contributo da comunidade.
Adicionalmente salientou o trabalho feito por vários indivíduos em prol da comunidade,
tendo dado especial enfase à obra desenvolvida por Mary Rosa Giglitto.
Para encerrar a noite, a mestre-de-cerimónias, chamou ao palco José Alves, que com
os Comendadores Capitão Cristiano DaRosa e José Vitorino Silva, tinha coordenado o
projeto da escultura do busto em bronze de Mary Rosa Giglitto.
Este projeto que foi custeado por ofertas de amigos de Mary Rosa Giglitto teve um
contributo muito especial por parte do Governo Regional dos Açores.
A sua conceção teve início logo após o falecimento da homenageada e foi elaborado
pela artista local Kitty Cantrell de Ramona e fundido na Bronze Artworks em Escondido.
Para o desvelar do busto, foram convidado ao palco, os familiares de Mary, Frank
Giglitto, viúvo, filhos Ângela e Frankie, irmãs gémeas, Antoinette e Bernadette, Miss
Cabrillo, Presidente do Festival Cabrillo e os Comendadores Capitão Cristiano DaRosa
e José Vitorino Silva.
A meio do palco encontrava-se o busto, coberto pelas bandeiras, americana e
portuguesa,
Depois de feitas as apresentações, José Alves, agradeceu aos clubes Cabrillo Civic
Club #16 e Portuguese American Social and Civic Club a autorização para que
decorresse a cerimónia durante o Cabrillo Banquet, assim como ao Portuguese
Historical Center por ser a entidade que recebeu e dispersou os fundos para o projeto.
Seguidamente historiou o projeto, e pediu a comparência no palco do Cônsul Geral
em San Francisco, Dr. António Costa Mouta e do Cônsul Honorário em Los Angeles,
Edmundo Macedo, amigo íntimo da Mary e grande impulsionador do projeto que dirigiu
a seguinte mensagem aos presentes:
Good evening,
My unforgettable friend Mary Rosa Giglitto built an outstanding pyramid consisting of
laborious activity, amazing imagination, indomitable courage, sense of humility and
unmatched class.
I do not expect the value of Mary's contribution to society to dissipate like smoke into
the clouds, but to live among us and future generations as a precious example of
what people can do when people are guided by a clear conscience, by tolerance and
fairness.
In her quest for greatness, Mary succeeded.
Plain and simple, "Our Mary" was bigger than life!
Thank you.
A pedido de José Alves, os Cônsules, convidaram a família Giglitto e Rosa a desvelar o
busto em homenagem a Mary Rosa Giglitto.
Com muita emoção Frank, Ângela e Frankie Giglitto, destaparam o busto deixando
cair para diante as bandeiras que exemplificavam o amor de Mary por Portugal e pelos
Estados Unidos.
No Busto a simples legenda:
Mary Rosa Giglitto
“Our Mary”
1938 – 2011
Noite extremamente comovente para todos presentes, a assistência, de pé,
acompanhou com uma grande salva de palmas um momento que se pode dizer único
na comunidade portuguesa de San Diego.
Ficaria assim memorializada Mary Rosa Giglitto, mulher de grandes dons, que deixou
um vacum na comunidade portuguesa, podia dizer-se mesmo na Califórnia, que jamais
poderá ser preenchido.
Frank Giglitto agradeceu em nome das famílias a homenagem prestada à sua
companheira vitalícia.
Em seguida, o Cônsul Geral ofereceu à família Giglitto, uma réplica em resina do busto.
José Alves agradeceu a participação de todos devolveram o serão à mestre-de-
cerimónias, que encerrou o serão com um convite ao baile que seguia.
No dia 2, e na Base de Submarinos em Point Loma, pelas 11 Horas da manhã, o local
abriu ao público.
Patentes estavam várias barracas com manjares das nações representadas, assim
como artesãos e barracas de organizações comunitárias assim como uma área para
crianças.
Para abrir as atividades do dia, a Filarmónica União Portuguesa de San Diego tocou
uma variedade de números.
No coreto em frente ao palco principal, local onde se sentaram as entidades e
convidados de honra, incluindo o Comandante da Base de Submarinos, estava patente
para apreciação pelo público, o busto de Mary Rosa Giglitto.
O entretenimento da tarde principiou com danças por parte de Abel Silvas, membro
dos Kumyeaay com o programa Running Grunion, que reconta a história dos indígenas
destas paragens., seguido com o grupo Soaring Eagles, membros do Nação Lakota,
índios de North Dakota.
Seguia-se a atração principal da tarde, a encenação do desembarque de João
Rodrigues Cabrillo, na Baía de San Diego a 28 de Setembro de 1542.
Acompanhado por uma narração da viagem de Cabrillo por José Alves, que serviu de
mestre-de-cerimónias durante o dia, via-se ao longe a nau San Salvador, que depois
da entrada no “bom e calmo porto de San Miguel (San Diego) prosseguiu até à área
hoje denominada por Balast Point, onde Cabrillo, o Frei Franciscano e dois soldados,
remaram até chegar a terra no pequeno barco denominado por “chalupa”, onde depois
de desembarcar, declaravam a sua descoberta para o Rei Carlo I de Espanha.
Uma assistência de uns milhares de pessoas assistiu ao desembarque, com emoção e
que depois tiveram ocasião de falar e ser fotografados com Cabrillo e sua companha.
A seguir houve a apresentação das bandeiras em que foram portadores membros da
marinha americana acompanhada pelos hinos do Espanha, Portugal, México e Estados
Unidos.
O Presidente do Festival Cabrillo 2011, Zé Duarte Garcia apresentou as entidades
presentes que de perto e de longe vieram para participar no festival e agradeceu à
assistência pela sua presença, com votos de que estivessem a gozar a linda tarde e a
experiencia da história da viagem de Cabrillo.
De novo, no palco voltaram as atuações, principiando com o grupo folclórico,
Portuguese American Dancers de San Diego, fundado em 1955 pela madeirense, Mary
Moniz, e hoje sob a direção de antigos participantes no grupo.
Sempre uma apresentação muito emocionante, este ano teve especial significado, pois
pela primeira vez atuou no grupo uma sobrinha-neta de Mary Rosa Giglitto.
Apos esta apresentação seguiu o grupo Hispanic Mexican Ballet Folklórico, que
agraciou a assistência com vários bailas coloridos.
Para terminar as atuações da tarde, exibiu-se o grupo espanhol Olé Flamenco muito
apreciado pelos presentes.
O Festival Cabrillo 2011 foi o quadragésimo oitavo. Celebrado em memória de
Mary Rosa Giglitto, apesar de ter decorrido com o brilhantismo a que o público está
acostumado, não foi difícil sentir a ausência da sua maior impulsionadora e alma, a
Presidente Emérita, Mary Rosa Giglitto.
José Maurício Lomelino Alves
Vista, Califórnia
5 De Outubro de 2011
Inclusões: fotos
1. Busto MRG
2. Foto Cônsul Geral, Cônsul Honorário, Representante do CEMA
3. Grupo Portuguese American Dancers
4. Cabrillo, Frei e soldados

Sem comentários:

Enviar um comentário