domingo, 11 de novembro de 2012

Encontro do Cone Sul

A Associação de Estudo Mulher Migrante tem, desde há anos, procurado introduzir as temáticas de género e de geração em eventos tradicionais das comunidades, onde, como regra, o enfoque vai para outras questões. Julga-se que esta é uma forma eficaz de lhes dar a prioridade que tem faltado.


Assim, por ex, aconteceu em em 2007, com a Associação MM a promover seminários sobre igualdade no quadro das festas do 10 de junho em Newark e em Montreal -uma experiência que se repetiu agora com a inserção das preocupações de igualdade de género e geração no Encontro do Cone Sul, num seminário cultural que teve por tema central o maior equilíbrio de participação dos que mais marginalizados se encontram ainda no movimento associativo - o que não sendo justo para as pessoas compromete o futuro das próprias instituições, como se torna cada vez mais evidente...

O Encontro do Cone Sul constitui um paradigma da prossecução de finalidades várias, a partir de um modelo inicial puramente lúdico: um portuguesíssimo torneio de sueca, que começou nas comunidades do sul do Brasil e do Uruguai e veio a estender-se à Argentina, alternando entre os 3 países a sede do evento anual. Do jogo e do convívio se

passou a outras iniciativas que decorrem em simultâneo, exposições, festivais de música e dança e, desde há já 10 anos, um "Seminário cultural". Participantes às centenas, presença de autoridades dos 3 países, dos nossos diplomatas e, quase sempre, a presidência protocolar do SECP. Um evento que cresceu para se tornar um dos mais

importantes, um dos mais "internacionais" de todo o mundo da Diáspora lusófona.

Em 2012 a Associação de Estudos MM foi, com o apoio da SECP, o parceiro principal na economia desse seminário - para marcar, também fora da Europa, as preocupações com o envelhecimento activo e a solidariedade intergeracional no contexto do movimento associativo português.



É óbvio, do ponto de vista das dirigentes da AEMM, como explicitaram, que a mudança e a inovação passam, largamente, pela capacidade de atrair ao cerne da vida associativa estes grupos, que têm sido marginalizados, para não dizer praticamente excluídos.

Tomar consciência desta realidade é preciso, mas não basta - é urgente tomar medidas concretas, fazer das instituições a" casa de todos", onde todos tenham o seu espaço próprio, para decidirem autonomamente iniciativas e modos de convívio, porventura em ruptura com rotinas e hábitos antigos. Num simples bar de associação, podem reunir as

tertúlias mais criativas, de um simples jogo de sueca pode surgir uma universidade sénior, como de almoços de amigos surgiu o formidável movimento das Academias de Bacalhau e, muito recentemente, as

Academias da Espetada na Venezuela.

Foi esta a tónica das intervenções de Maria Manuela Aguiar (A expansão de Portugal pelo Movimento Associativo) e de Maria Beatriz Rocha Trindade (Associativismo construindo o futuro a partir de um olhar retrospectivo). O Engº Daniel Amado e a Drª Alexandra Allo deram exemplos concretos da dinâmica Associação de Comodoro-Rivadávia, actualmente presidida por Maria Amado. a que se seguiram, na mesma linha, intervenções de jovens luso-descendentes de Ijuí.

Rita Gomes realçou a participação activa das mulheres nas estruturas associativas e Nassalete Miranda deu visibilidade a um domínio, onde as Mulheres são já "mais iguais" aos Homens - a do empreendedorismo cultural, numa mensagem que soou a coisa nova.

Várias outras intervenções e o debate se seguiram, na presença de mais de 200 congressistas, que enchiam o "salão de cerimónias Dr Ernesto de los Campos, oferecido pela Intendência para a realização dos trabalhos.

A própria Intendente - a primeira Mulher na História a presidir à Câmara Municipal de Montevideo - esteve presente a saudar todos os participantes, a realçar o papel das mulheres nas sociedades de hoje, tendo concedido o título e a medalha de "Visitante Ilustre" ao Secretário de Estado José Cesário e à Ex- Secretaria de Estado Maria

Manuela Aguiar.

O SECP mostrou, uma vez mais, a sua proximidade das pessoas e dos problemas, um conhecimento de causa, feito de experiência vivida e, também, o que não é menos raro, em quem desempenha essas funções, de sensibilidade para as questões de género.

Uma questão que nunca pode ser vista como especificamente feminina, e que não pode ser resolvida apenas por mulheres nem, na nossa óptica, faz hoje sentido que seja movida "contra" os homens. Luís Panasco, a "alma" deste Encontro, que institucionalmente organizou como Presidente da Casa de Portugal de Montevideo e que a AEMM se orgulha de contar entre os seus membros activos disse um dia, em Villa Elisa, numa reunião em que era o único homem presente: "não é preciso ser jovem para procurar ajudar os jovens, nem velho para procurar resolver problemas de envelhecimento, nem é preciso ser mulher para lutar pela igualdade de sexos.



Para além do seminário, o encontro foi vivido numa programação multifacetada - reunião de empresários, promovida pela Câmara de Comércio luso uruguaia, encontro do SECP e de deputados do Grupo de Amizade Uruguai Portugal no Parlamento, reunião do SECP com dirigentes associativos do Cone Sul, uma conferência sobre as mulheres na política no Clube Brasil (oradora e convidada a falar da sua própria experiência, Maria Manuela Aguiar), festa com exibição de ranchos folclóricos das comunidades portuguesas dos 3 países do Cone Sul, visita a colónia de sacramento, com recepção oficial na Intendência, desfile dos Ranchos nas ruas da cidade património da Humanidade, sessão de encerramento, com apresentação de conclusões e entrega dos prémios do torneio de sueca, que, sendo um de muitos eventos não perdeu a sua importância. E, por isso, a deputada Mª João Ávila e Nassalete Miranda que mais mulheres passem a participar dos jogos, em paridade e não só a título de excepção que confirma a regra.

Sacramento foi também o lugar ideal para lembrar Fernando Assunção, o grande intelectual e militante da cultura portuguesa, a quem se deve a reconstrução de “Colónia”, fiel à sua traça arquitectónica portuguesa, que lhe vale, afinal, a distinção da UNESCO. Presentes entre nós, a viúva e a filha do Doutor Assunção.

Sem comentários:

Enviar um comentário