domingo, 9 de fevereiro de 2014

40 anos de migrações, em liberdade






A  Mulher Migrante - Associação de Estudo, Cooperação e Solidariedade propõe-se levar a cabo uma série de debates, em Portugal e em comunidades portuguesas do estrangeiro, sobre o significado da democratização da vida política no País, sobre a sua projeção nas políticas de emigração e no relacionamento com os cidadãos e as instituições da "Diáspora", ao longo das últimas quatro décadas.
Nesses debates queremos ouvir o que têm a dizer mulheres e homens sobre o quadro geral do fenómeno migratório, assim como sobre a evolução do papel das mulheres nos movimentos de expatriação  e de retorno e no movimento associativo: partindo da História e da Memória de sucessivas gerações para chegar aos dias de hoje.  Consideramos que este é o momento certo para avaliar a dimensão atual do fenómeno, a sua composição, em termos de género, de qualificação, de projetos e situação profissional, assim como da propensão associativa (e das novas formas que vai configurando) e da evolução das relações com as sociedades de origem e de residência.
 Serão  iniciativas em que as questões da igualdade estarão sempre em foco - igualdade entre mulheres e homens, entre mulheres que saíram ou não das fronteiras do país, entre emigrantes e não emigrantes, do ponto de vista do estatuto jurídico  e da situação de facto. Espera-se que seja, também, uma plataforma para o relançamento dos projetos que a AEMM vem incentivando - a recolha de histórias de vida, as  Academias Seniores , a história do associativismo, quer do mais tradicional. quer do que vai assumindo novos modelos, promovendo formas de cooperação e de diálogo de género e de geração.  
Há muitas perguntas a fazer e muitas respostas que se podem dar em conjunto.

 


terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Nos 40 anos do 25 de Abril

A AEMM propõe-se levar a cabo uma série de debates, em Portugal e em comunidades portuguesas do estrangeiro, sobre o significado da democratização da vida política no País, sobre a sua projeção nas políticas de emigração e no relacionamento com os cidadãos e as instituições da "Diáspora", ao longo de quatro décadas.
Nesses debates procurar-se-á ouvir mulheres e homens sobre o quadro geral do fenómeno migratório, assim como sobre a evolução do papel das mulheres nos movimentos de expatriação  e de retorno e no movimento associativo: partindo da História e da Memória de sucessivas gerações para chegar aos dias de hoje, com a avaliação da dimensão atual do fenómeno, da sua componente feminina, das novas formas de associativismo e de vivência das relações com as sociedades de origem e de residência.